Elis Regina – Águas de março

Letra original / traducida

Águas de março

É pau, é pedra
É o fim do caminho
É um resto de toco
É um pouco sozinho

É um caco de vidro
É a vida, é o sol
É a noite é a morte
É um laço, é o anzol

É peroba do campo
É o nó da madeira
Caingá, Candeia
É o matita-pereira

É madeira de vento
Tombo da ribanceira
É um mistério profundo
É o queira ou não queira

É o vento ventando
É o fim da ladeira
É a viga, é o vão
Festa da Cumeeira

É a chuva chovendo
É conversa ribeira
Das águas de março
É o fim da canseira

É o pé, é o chão
É a marcha estradeira
Passarinho na mão
Pedra de atiradeira

É uma ave no céu
É uma ave no chão
É um regato é uma fonte
É um pedaço de pão

É o fundo do poço
É o fim do caminho
No rosto um desgosto
É um pouco sozinho

É um estrepe, é um prego
É uma ponta, é um ponto
É um pingo, pingando
É uma conta, é um conto

É um peixe, é um gesto
É uma prata brilhando
É a luz da manhã
É o tijolo chegando

É a lenha, é o dia
É o fim da picada
É a garrafa de cana
Estilhaço na estrada
É o projeto da casa
É o corpo na cama
É o carro enguiçado
É a lama, é a lama

É um passo é uma ponte
É um sapo, é uma rã
É um resto de mato
Na luz da manhã

São as águas de março
Fechando o verão
E a promessa de vida
No teu coração

É pau, é pedra
É o fim do caminho
É um resto de toco
É um pouco sozinho

É uma cobra é um pau
É João é José
É um espinho na mão
É um corte no pé

São as águas de março
Fechando o verão
É a promessa de vida
No teu coração
É pau, é pedra
É o fim do caminho
É um resto de toco
É um pouco sozinho

É um passo é uma ponte
É um sapo, é uma rã
É um belo horizonte
É uma febre terçã

São as águas de março
Fechando o verão
É a promessa de vida
No teu coração

É pau, é pedra
É o fim do caminho
É um resto de toco
É um pouco sozinho

Autores de la canción: Antonio Carlos Jobim
Letra de Águas de março © Tratore, Corcovado Music Corporation


Aguas de marzo

Es madera, es piedra
Es el final del camino
Es un tocón
Está un poco solo

Es un trozo de vidrio
Es la vida, es el sol
Es la noche es la muerte
Es un lazo, es el gancho

Es la peroba* del campo
Es el nudo de la madera
Caingá, candela**
Es la matita-pereira***

Es madera de viento
Riada en la rivera
Es el profundo misterio
Es el “lo quieras o no”

Es el viento que sopla
Es el final de la ladera
Es la viga, es el hueco
Fiesta de los tijerales****

Es la lluvia lloviendo
Es una charla en la rivera
De las aguas de marzo
Es el fin del cansancio

Es el pie, es el suelo
Es la marcha por carretera
Pajarito en la mano
Piedar de tirachinas

Es un pájaro en el cielo
Es un pájaro en el suelo
Es un arroyo, es una fuente
Es un pedazo de pan

Es el fondo del pozo
Es el final del camino
En el rostro el disgusto
Está un poco solo

Es una astilla, es un clavo
Es una punta, es un punto
Es una gota goteando
Es una cuenta, es un cuento

Es un pez, es un gesto
Es una plata brillando
Es la luz de la mañana
Es el ladrillo llegando

Es la leña, es el día
Es el final del camino
Es la botella de caña
El accidente en la carretera
ES el proyecto de la casa
Es el cuerpo en la cama
Es el coche el que se ha estropeado
Es el barro, es el barro

Es un paso es un puente
Es un sapo y una rana
Es un resto del matorral
En la luz de la mañana

Son las aguas de marzo
Cerrando el verano
Y la promesa de vida
En tu corazón

Es madera, es piedra
Es el final del camino
Es un tocón
Está un poco solo

Es una cobra, es un palo
Son Juan y José
Es una espina en la mano
Es un corte en el pie

Son las aguas de marzo
Cerrando el verano
Es la promesa de la vida
En tu corazón
Es madera, es piedra
Es el final del camino
Es un tocón
Está un poco solo

Es un paso, es un puente
Es un sapo, es una rana
Es un hermoso horizonte
Es una fiebre de martes

Son las aguas de marzo
Cerrando el verano
Es la promesa de la vida
En tu corazón

Es madera, es piedra
Es el final del camino
Es un tocón
Es un poco solitario

*Peroba o palo rosa, es el nombre con el que se designan varias especies de árboles sudamericanas típicas de la zona tropical
**Nombres de árboles
***Es el nombre que recibe el cuco rayado, crespín o crispín en Brasil
****Conocida en Chile como fiesta de los tijerales, que son las vigas de las soleras de los muros, es una fiesta que celebra el fin de la construcción del tejado de una vivienda

Compartir...

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.

© 2021 LetrasTraducidas.org | Aviso Legal | Política de Cookies | Feed RRS | Contacto